Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Fronteira entre Brasil e Venezuela é reaberta

Fechada por determinação do presidente Maduro desde 13 de dezembro, a fronteira foi parcialmente reaberta na volta do feriado de Ano Novo

A fronteira entre Brasil e Venezuelana acaba de ser reaberta por determinação do presidente Nicolás Maduro. A partir de agora, o trânsito de pessoas, automóveis e mercadorias volta a ser normalizado, inclusive para saída de cidadãos venezuelanos.

De acordo com a secretária extraordinária de Relações Internacionais do governo de Roraima, Verónica Caro, um grupo de turistas brasileiros ainda aguardava a liberação da fronteira para retornar ao país, além de venezuelanos em busca de alimentação e refúgio. “Muita gente vem apenas para comprar comida e volta. É um fluxo bem constante na fronteira”, disse.

Segundo a secretária, a demanda de pessoas para cruzar já havia diminuído com a reabertura parcial da fronteira nos últimos dias.

Fechada por determinação do presidente Maduro desde 13 de dezembro, a fronteira foi parcialmente reaberta na volta do feriado de Ano Novo.

Os setores de importação e exportação já estão reativados e o posto de combustível internacional de Santa Elena de Uiaren, na Venezuela, também foi reaberto na terça-feira pela manhã. “Estamos trabalhando para que nunca mais haja o fechamento das fronteiras”, ressaltou Verónica Caro.

O fechamento do posto internacional gerou forte reação nas redes sociais, pois é o único que abastece Pacaraima, principal cidade brasileira que faz fronteira com a Venezuela.

Sem gasolina, o comércio e o trânsito de Pacaraima ficaram praticamente paralisados. Agentes policiais brasileiros que trabalham na região ameaçaram fechar a fronteira do lado brasileiro como retaliação para acessar o posto.

Maduro decidiu fechar a fronteira entre Venezuela e Brasil em 13 de dezembro. Segundo o decreto, o fechamento, inicialmente previsto para durar 72 horas, foi necessário para combater o contrabando de cédulas nacionais por máfias dos dois países.