Falta fiscalização e transparência, diz delator da Carne Fraca

Delator descobriu irregularidades, inicialmente, no frigorífico Peccin, no Paraná, com aproveitamento de carnes estragadas, podres

São Paulo – O fiscal agropecuário federal Daniel Gouvêa Teixeira, que denunciou irregularidades na Superintendência Federal de Agricultura do Paraná, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, afirmou que falta “transparência” e “fiscalização” na cadeia de produção de carne brasileira.

O agente público delator da Operação Carne Fraca concedeu entrevista ao programa Fantástico, da Rede Globo, exibido na noite deste domingo (19).

“Dá para continuar consumindo carne. A nossa cadeia produtiva é uma das mais organizadas do planeta. O que falta é fiscalização e transparência. O Brasil não pode perder mercado por causa de situações como essa”, defende.

Teixeira afirmou ter inicialmente descoberto irregularidades no frigorífico Peccin, no Paraná. “O aproveitamento de carnes estragadas, fora de validade, em estado de putrefação”, relatou.

Ele ainda lembrou ter encontrado carne mecanicamente separada acima do permitido para consumo.

“A carne mecanicamente separada é um subproduto do abate de aves. Sobra um pouco de carne que chamamos de carcaça, que é o peitoral do frango. Eles usavam em torno de 94% da composição do produto. A regra é de, no máximo, 60%, ou 40%. Assim, eles barateavam demais o produto, o que é competição desleal no mercado, além de ser fraude.”

Após comunicar as irregularidades ao Ministério da Agricultura, afirmou ter sido afastado da fiscalização do frigorífico Peccin. “Eu recebi a notificação de que foi cancelada a minha atribuição de fiscalização daquele frigorífico”, disse.

Após deixar de vistoriar o Peccin, ele fiscalizou o frigorífico Souza Ramos, segundo a reportagem da TV Globo, onde encontrou novas irregularidades no fornecimento de merenda para uma escola pública.

A Operação Carne Fraca busca combater corrupção de agentes públicos federais e crimes contra Saúde Pública.

Executivos do frigorífico JBS, da BRF Brasil e outros foram alvos da operação – maior operação já deflagrada pela PF, com mais de 1 mil homens envolvidos. A Justiça mandou bloquear até R$ 1 bilhão dos investigados.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s