Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Exército diz que ‘malucos’ apoiam intervenção

Comandante do Exército diz que há "chance zero" de setores das Forças Armadas, se encantarem com a volta dos militares ao poder

Brasília – O comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, diz que há “chance zero” de setores das Forças Armadas, principalmente da ativa, mas também da reserva, se encantarem com a volta dos militares ao poder. Admite, porém, que há “tresloucados” ou “malucos” civis que, vira e mexe, batem à sua porta cobrando intervenção no caos político.

“Esses tresloucados, esses malucos vêm procurar a gente aqui e perguntam: Até quando as Forças Armadas vão deixar o País afundando? Cadê a responsabilidade das Forças Armadas?” E o que ele responde? “Eu respondo com o artigo 142 da Constituição. Está tudo ali. Ponto”.

Pelo artigo 142, “as Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.”

O que o general chama hoje de “tresloucados” corresponde a uma versão atualizada das “vivandeiras alvoroçadas” que, segundo o marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, primeiro presidente do regime militar, batiam às portas dos quartéis provocando “extravagâncias do Poder militar”, ou praticamente exigindo o golpe de 1964, que seria temporário e acabou submetendo o País a 21 anos de ditadura. “Nós aprendemos a lição. Estamos escaldados”, diz agora o comandante do Exército.

Ele relata que se reuniu com o presidente Michel Temer e com o ministro da Defesa, Raul Jungmann, e avisou que a tropa vive dentro da tranquilidade e que a reserva, sempre mais arisca, mais audaciosa, “até o momento está bem, sob controle”. De fato, a crise política, econômica e ética atinge proporções raramente vistas, mas os militares da ativa estão mudos e os da reserva têm sido discretos, cautelosos.

“Eu avisei (ao presidente e ao ministro) que é preciso cuidado, porque essas coisas são como uma panela de pressão. Às vezes, basta um tresloucado desses tomar uma atitude insana para desencadear uma reação em cadeia”, relatou o general Villas Bôas, lembrando que há temas mais prosaicos do que a crise, mas com igual potencial de esquentar a panela, como os soldos e a Previdência dos militares.

Na sua opinião, Temer “talvez por ser professor de Direito Constitucional, demonstra um respeito às instituições de Estado que os governos anteriores não tinham. A ex-presidente Dilma (Rousseff), por exemplo, tinha apreço pelo trabalho das pessoas da instituição, mas é diferente”.

Em entrevista ao Estado, na sua primeira manifestação pública sobre a crise política do País, o comandante do Exército admitiu que teme, sim, “a instabilidade”. Indagado sobre o que ele considerava “instabilidade” neste momento, respondeu: “Quando falo de instabilidade, estou pensando no efeito na segurança pública, que é o que, pela Constituição, pode nos envolver diretamente”.

Aliás, já envolve, porque “o índice de criminalidade é absurdo” e vários Estados estão em situação econômica gravíssima, como Rio de Janeiro, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Minas Gerais. Uma das consequências diretas é a violência.

Ao falar sobre a tensão entre o Judiciário e o Legislativo, depois que o ministro Marco Aurélio Mello afastou o senador Renan Calheiros da presidência do Senado por uma liminar e Renan não acatou a ordem judicial, o comandante do Exército admitiu: “Me preocupam as crises entre Poderes, claro, mas eles flutuam, vão se ajustando”.

O general disse que se surpreendeu ao ver, pela televisão, que um grupo de pessoas havia invadido o plenário da Câmara pedindo a volta dos militares. “Eu olhei bem as gravações, mas não conheço nenhuma daquelas pessoas”, disse, contando que telefonou para o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) para se informar melhor e ouviu dele: “Eu não tenho nada a ver com isso”.

Bolsonaro

Bolsonaro, um capitão da reserva do Exército que migrou para a vida política e elegeu-se deputado federal, é uma espécie de ponta de lança da direita no Congresso e não apenas capitaneia a defesa de projetos caros às Forças Armadas, como tenta verbalizar suas dúvidas, angústias e posições e se coloca como potencial candidato à Presidência em 2018.

“No que me diz respeito, o Bolsonaro tem um perfil parlamentar identificado com a defesa das Forças Armadas”, diz o general, tomando cuidado com as palavras e tentando demonstrar uma certa distância diplomática do deputado.

É viável uma candidatura dele a presidente da República em 2018, como muitos imaginam? A resposta do general não é direta, mas diz muito: “Bolsonaro, a exemplo do (Donald) Trump, fala e se comporta contra essa exacerbação sem sentido do tal politicamente correto”.As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Tiago Biller

    Generais , almirantes e brigadeiros comprados , ganham seus altos salários e suas grandes regalias… Acham que vão querer lutar pelo povo ???? Sem contar que são um pinto ovo. Não se fazem mais militares como antigamente.

    1. Neto Queiroz

      Esse general foo indicado no governo Dilma… O que transparece uma fragilidade das forças armadas ao serem submetidas as lideranças governamentais

  2. José Roberto De Souza

    Os setor militar tutelou politicamente a nação por 20 anos e qual o resultado se no fim jogaram o país na mão de Zé Sarney?O governo deles teria feito menos mal se terminado na gestão de Geisel; foram esticando a corda e se esgotou não deixando a menor saudade.

  3. Passos Morais

    Sinceramente, não acho que deva haver intervenção militar. Mas utilizar uma matéria apenas para indagar e colocar sob suspeição a candidatura de BOLSONARO é no mínimo uma afronta à democracia, e outra, com palavras de quem deveria permanecer isento nessas questões políticas.

  4. Matheus Ferreira

    É uma pena msm :/ eu realmente acho q deveria haver sim intervenção militar pra colocar ordem nesse nosso país

  5. Rodrigo M. Brtlzz

    No final da matéria tem sua fonte. A Esquerdosa Folha de São Paulo. Sendo assim, qualquer coisa escrita nessa entrevista ao general, para mim só teriam valia se fosse um vídeo ou áudio que comprovasse a veracidade desta. Sendo assim, não há a menor credibilidade.

  6. As pessoas só pedem os militares para não ter mais os deputados e senadores que pouco se importam com o Brasil e seu povo.

  7. Kaique Feitosa

    O estadão e a abril agiram de má fé e utilizaram-se de calunia e difamação, trazendo uma foto do Bolsonaro vinculada a noticia de uma entrevista que nada tem haver com o mesmo. Incrivel agem de maneira mal intencionada, utilizando-se da imagem de alguem que é relevante a opinião para sociedade para criar afirmativas que o mesmo não repassou, porque não colocaram a foto do general vilas boas? não venderia né, não criaria uma ofensa real a quem eles querem ofender que no caso é o Bolsonaro e toda a linha de direita. Exame e Estadão agindo de má fé com a população e vinculando materias com imagens que não condizem com o enunciado. Passivel de processo judicial de uso indevido da imagem. Espero que processem, só assim para essa imparcialidade corruptível desses veículos de noticia mal intencionados, começarem a acordar.

    1. Realmente, vendo o título e a imagem vinculada, faz parecer que Bolsonaro era ou fazia parte do grupo “malucos que apoiam a intervenção”

    2. Fora que modificaram a frase do militar, onde na verdade ele falou: “Bolsonaro, a exemplo de Donald Trump nos EUA, fala e também se comporta contrariamente à exacerbação sem sentido do que hoje é chamado de politicamente correto”” http://br.blastingnews.com/politica/2016/12/comandante-maximo-do-exercito-comenta-sobre-candidatura-de-bolsonaro-a-presidencia-001321503.html

  8. Jorge Afonso

    COMO FAZER UMA INTERVENÇÃO CIVIL TENDO UMA MILÍCIA ARMADA (FORÇA NACIONAL) ATÉ OS DENTES EM DEFESA DE UMA QUADRILHA QUE SAQUEIA O PAÍS. COMO O POVO DESARMADO PODE INTERVIR??? . COMO PODE O EXÉRCITO SABEDOR DE TUDO ISSO NÃO SE PRONUNCIAR???

  9. Apw ForaVermelhos

    Que jogada mais nojenta da exame.com! Vincular a imagem de bolsonaro com “maluco” intervensão militar. Caros vermelhos todos aqui acompanham internet e midias alternativas, ninguem mais cai nessa conversa. Todos nós sabemos porque vemos quase todos os dias bolsonaro afirmando nas redes sociais que ele é contra intervenção militar totalmente! Chega de mentiras! Fora vermelhos!

  10. Realmente, o PT fez um grande estrago. Imaginar que uma alta patente do exército dar este tipo de declaração é mesmo que dizer que a Carmem Lúcia é independente. Ou, por outra, não seria mais uma forcinha da mídia (exame) pra abafar a revolta do povo, com uma matéria no mínimo suspeita?

  11. Alysson Campolina

    Temos um congresso inteiro sendo citado por prováveis ganhos ilícitos! Um presidente q agora também é citado. Uma reportagem deste mesmo veículo dizendo q o presidente da república articula a anulação da delação q o cita…ou seja estamos sendo governados por criminosos! Ai os q solicitam q uma INTERVENÇÃO (diferente de ditadura) q já ocorreu em 1930 quando comprovado o desgoverno é q são loucos? Loucura não é deixar esse bando de lobos criarem leis e governarem sobre o rebanho de ovelhas? Os políticos de hoje fazem o q querem pq as leis atuais não os punem…só uma intervenção fará os mesmos entenderem q não podem fazer o q querem…

  12. Rogério Duarte

    Bom dia a todos
    Primeiramente acho q a foto de Jair Bolsonaro não devia estar nessa matéria .a matéria devia ser ilustrada pela foto desse general q na minha opinião é um covarde comprado pelo alto salario enquanto não mecherem nos ganhos estara tudo bem
    não ver a gravidade do problema
    o Brasil está nas mãos de bandidos
    Essa matéria tem o interesse de enfraquecer Jair Bolsonaro
    Só q tudo q a mídia faz contra ele surte efeito contrário e acabam apresentando ele para os q ainda não o conhece
    Assim como aconteceu nas eleições norte-americanas
    Parei de votar por não confiar nos políticos q temos mas pretendo voltar a voltar em 2018 se Jair Bolsonaro se candidatar

    1. Assim como nos EUA a mídia não tem a menor credibilidade hoje em dia só fazem torcida e mais nada . Busquemos a verdade acima de tudo e sempre duvidem da mídia pois ela é corrupta e mentirosa

  13. JairBolsonaroPresidente 2018

    Esse é um corrupto…

    Ladrão, temos que eliminar essa raça desse país.

  14. Olavo Aragão Sobral-ce

    O que eu ainda não entendi é o porquê de colocar uma foto de Jair Bolsonaro na matéria, sendo que o candidato é declaradamente contra intervenção militar no contexto atual??? Eu e os demais de direita, conservadores, sabemos bem que isso é factível, é ate incoerente, como um parlamentar que almeja a presidência pode querer intervenção????