Empresário norueguês é acusado de corrupção da Petrobras

A Sevan fuzileiro naval, especializada em construir plataformas flutuantes para alto-mar, e sua antiga filial Sevan Drilling, foram acusadas por subornos

Copenhague – O fundador da companhia norueguesa Sevan, de plataformas marítimas flutuantes, está entre os acusados pelas autoridades da Noruega de suborno e de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras.

A Sevan fuzileiro naval, especializada em construir plataformas flutuantes para alto-mar, e sua antiga filial Sevan Drilling, foram acusadas de violar dois artigos do Código Penal norueguês por terem pago vários milhões de coroas em subornos para um mediador para obter dois contratos com a Petrobras, assinados entre 2005 e 2008.

“É surpreendente o que investigamos agora, é incompreensível que nossos pagamentos tenham ido para pessoas na Petrobras e para políticos no Brasil”, declarou hoje Arne Smedal, fundador da Sevan, ao jornal “Dagens Næringsliv”, ao confirmar ter sido acusado na investigação, embora tenha garantido desconhecer o esquema.

A Sevan admitiu neste fim de semana que a Unidade da Polícia norueguesa para Crimes Financeiros (Økokrim) revistou na sexta-feira vários de seus escritórios e que tinha sido acusada de corrupção junto com a Sevan Drilling, controlada desde 2011 pela também norueguesa Seadrill.

Um relatório de um escritório de advogados contratado pela Sevan este ano, quando a imprensa brasileira vinculou a companhia ao caso Petrobras, concluiu que “é mais provável do que improvável que a empresa tenha pago subornos” para vencer licitações.

O relatório foi enviado as autoridades norueguesas, comunicou a Sevan, envolvida no que pode ser um dos maiores casos de corrupção da história da Noruega.