Eleitores de Dilma e de Aécio querem mudança, diz professor

Segundo professor da USP, a maioria pretende que o governo continue com uma ênfase social, mas quer a ampliação do programa em outras frentes

São Paulo – O resultado das urnas mostraram que tanto os eleitores de Dilma Rousseff, reeleita presidenta da República ontem, quanto os de Aécio Neves, assim como aqueles que anularam o voto em protesto, querem mudanças no país.

A avaliação é do professor de sociologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo (USP), Wagner Tadeu Iglecias.

“O recado é que as pessoas querem mudanças. E existem vários caminhos para essa mudança: uma quase metade quer mudanças que não passassem mais pelo atual modelo, pelo PT. Mas uma outra metade, ou a maioria, referenda esse projeto, mas quer o aprofundamento dele, quer um projeto mais democrático, mais transparente, mas próximo da sociedade”, disse.

De acordo com o professor, a maioria pretende que o governo continue com uma ênfase social, mas quer a ampliação do programa em outras frentes, como a própria democracia.

“Querem aprofundar a democracia, retomar o crescimento. Acho que foi a aposta de uma metade do eleitorado na continuidade desse tipo de mudança, e outra metade queria mudanças de outra natureza. A começar pela substituição do modelo, pela saída do PT”.

Iglecias será um dos convidados de hoje (27) do programa Brasilianas.org, apresentado pelo jornalista Luis Nassif, na TV Brasil, às 20 horas, que discutirá o cenário pós-eleições.

Além do professor da USP, também participarão o assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Marco Aurélio Garcia, a professora de ciências políticas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), Argelina Figueiredo, e o professor de economia da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo, Antônio Corrêa de Lacerda.