Dois cargos da Câmara serão definidos em 2° turno

Nenhum dos candidatos para os cargos de 1º vice-presidente e 3º secretário conseguiu maioria absoluta dos 257 votos

Dois cargos da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados serão definidos em segundo turno, já que nenhum dos candidatos conseguiu a maioria absoluta dos 257 votos.

A disputa se concentra nos cargos de 1º vice-presidente e 3º secretário. A eleição está sendo comandada por Rodrigo Maia (DEM-RJ), que foi reeleito em primeiro turno para presidir a Casa no biênio de 2017-2018, com 293 votos.

Disputam o segundo turno na 1ª vice-presidência os deputados Osmar Serraglio (PMDB-PR) e Fabio Ramalho (PMDB-MG). Serraglio conseguiu 154 votos e Ramalho ficou com 192.

Apesar dos apelos do líder do PMDB, Baleia Rossi (SP), em torno da unidade, o candidato oficial do partido, Lúcio Veira Lima (BA), ficou em terceiro com 133 votos.

A disputa para o cargo de 3º secretário vai ser entre JHC (PSB-AL) e João Fernando Coutinho (PSB-PE). JHC conseguiu 248 votos e João Fernando Coutinho 219 votos.

Para a 2º vice-presidência foi eleito o deputado André Fufuca (PP-MA), que conquistou 283 votos contra os 166 dados ao ex-líder do partido Eduardo da Fonte (PE).

Com 406 votos, o cargo de 1º secretário ficou com Giacobo (PR-PR), que até então ocupava o cargo de 2º vice-presidente.

A 1ª secretária será ocupada pela deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), que conquistou 416 votos. Mariana conseguiu a unidade dos tucanos após a desistência do ex-líder Carlos Sampaio (SP), que abriu mão da disputa.

Fechando os cargos titulares da Mesa Diretora, o deputado Rômulo Gouveia (PSD-PB) se elegeu para a 4ª secretaria, com 433 votos.

Para a suplência foram eleitos: Dagoberto (PDT-MS), com 402 votos; Pedro Uczai (PT-SC), com 377 votos; César Halum (PRB-TO), com 383 votos, e Carlos Manato (SD-ES), com 170 votos.

Daqui a pouco será realizada a sessão solene de reabertura dos trabalhos do Congresso Nacional, no plenário da Câmara dos Deputados. A mensagem presidencial ao Congresso será apresentada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha.