Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Decisão de Marco Aurélio foi corajosa, diz advogado da Rede

O advogado Daniel Sarmento representa a acusação durante julgamento do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) que analisa o caso

Brasília – O advogado da Rede Sustentabilidade no processo que pediu o afastamento do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), Daniel Sarmento, avaliou nesta quarta-feira, 7, como “corajosa” a decisão do ministro Marco Aurélio Mello de conceder o pedido de liminar do partido.

Sarmento representa a acusação durante julgamento do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) que analisa o caso.

Sarmento avaliou que a tese da defesa de Renan acaba reforçando as alegações da acusação. Segundo a advocacia do Senado, Renan não deveria ser retirado do cargo às vésperas do recesso parlamentar e de votações importantes para o País.

O advogado da Rede disse que esses argumentos destacam a relevância das decisões do presidente do Senado, que não deveriam ser tomadas por um parlamentar que é réu no STF.

Ele defendeu ainda que, como o Congresso representa a população, ter um presidente envolvido em ação penal pode tirar a legitimidade da instituição para tomar essas decisões.

“Se temos leis tão importantes em tramitação e se discute até a mudanças da Constituição, emendas constitucionais controversas, será que exatamente nesse cenário não é fundamental que haja uma atmosfera de normalidade?”, questionou, fazendo referência à Proposta de Emenda Constitucional que estabelece um teto para os gastos públicos.

Para Sarmento, a possibilidade ventilada pela defesa de que Renan poderia permanecer no comando do Senado e ser apenas retirado da linha sucessória da presidência da República, é “insatisfatória do ponto de vista Constitucional”.

“Quando uma determinada pessoas não satisfaz todos os requisitos constitucionais para permanecer em um cargo, ela tem que sair, e não o cargo ser podado de uma de suas atribuições”, disse, referindo-se à linha sucessória da presidência da República.