Custos da indústria ficam estáveis no terceiro trimestre

Setor registrou redução dos gastos das indústrias com energia e bens intermediários e com o capital de giro

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou hoje (9) que o Indicador de Custos Industriais registrou alta de 0,3% no terceiro trimestre, na comparação com os três meses anteriores, descontados os efeitos sazonais. Por outro lado, no mesmo período, os preços dos produtos industriais subiram 0,5%.

De acordo com a CNI, no caso dos custos, houve a redução dos gastos das indústrias com energia e bens intermediários e com o capital de giro.

As quedas registradas nesses indicadores compensaram o aumento de 2% nos custos com pessoal e 1,6% no custo tributário, registrados no terceiro trimestre em relação ao período imediatamente anterior, na série dessazonalizada.

Apesar da crise econômica, destaca a CNI, o índice de custo com pessoal cresceu 8,8% frente ao mesmo trimestre de 2015 e ficou acima do crescimento de 8,48% registrado pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo no período, que indica indexação dos salários na indústria. Além disso, o índice de custo tributário subiu 1,6% no terceiro trimestre na comparação com o segundo.

O estudo mostra também que o indicador de custo com capital de giro caiu 2,8% na comparação com o segundo trimestre, na série dessazonalizada. Foi a segunda queda do indicador.

O índice de custo com energia caiu 1,1% no terceiro trimestre em relação ao segundo, na série com ajuste , resultado da queda de 1,2% no custo com energia elétrica e de 0,7% no custo com óleo combustível.

No mesmo período, o índice de custo com bens intermediários nacionais e importados teve queda de 0,4%.

A redução dos custos com bens intermediários importados até o terceiro trimestre é resultado da valorização do real frente ao dólar ao longo deste ano, que reduz, informa a CNI, a competitividade da indústria brasileira no mercado interno, pois os produtos importados ficam mais baratos em reais.

Para os técnicos da confederação, o real mais valorizado também prejudica a competitividade das exportações brasileiras, que ficam mais caras frente aos produtos locais nos mercados de destino.

O estudo da CNI mostra que, com os efeitos do câmbio, os preços dos produtos industriais americanos, em reais, diminuíram 7,1% no terceiro trimestre frente ao segundo, com perda de competitividade das exportações da indústria brasileira.