Conteúdo sigiloso da lista de Fachin inclui Lula, Palocci e Cunha

Nomes de políticos foram apontados em uma reportagem divulgada nesta quarta-feira pelo jornal O Estado de S. Paulo

A parte ainda sob sigilo determinado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin dos pedidos de inquérito da Procuradoria-Geral da República com base nas delações da Odebrecht inclui o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, entre outros, segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo desta quarta-feira.

De acordo com o Estadão, a atuação de Lula é citada em relação às operações da Odebrecht em Cuba, no Porto de Mariel, e em Angola, em um contrato assinado entre a empreiteira e a empresa de um sobrinho da primeira mulher do ex-presidente.

No caso de Palocci, o pedido é para investigar afirmações de delatores de que o ex-ministro fez pedidos para pagamentos a campanhas eleitorais às presidências do Peru e de El Salvador, enquanto Cunha é citado em um caso de financiamento de campanhas no Brasil, acrescentou o jornal.