Congresso precisa apoiar Temer para reformas, diz Renan

Renan afirmou ainda que vai se esforçar para que a votação termina antes das 22h

Brasília – O Congresso precisa apoiar o vice-presidente Michel Temer na aprovação de reformas estruturantes, em especial a reforma política, caso ele assuma a Presidência da República por ocasião do afastamento da presidente Dilma Rousseff, afirmou nesta quarta-feira o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL).

O senador avaliou que o sistema político está deturpado e que a forma de financiamento das campanhas está no coração das crises do presidencialismo brasileiro. 

Pouco antes do início da sessão, em entrevista a jornalistas, Renan apontou ainda a necessidade de uma revisão da lei que rege o processo de impeachment, por acreditar que o afastamento do chefe do Executivo a partir da admissibilidade do pedido no Senado significa, na prática, um pré-julgamento.

Renan disse ainda que não participará da formação do eventual novo governo por acreditar que esse não é o papel do presidente do Senado, mas que irá ajudar “da forma que puder” no trâmite de reformas que forem encaminhadas ao Legislativo. 

“O presidente Temer, se for essa a decisão do Congresso Nacional, pelo menos na sua interinidade, e depois se for o caso da sua posse definitiva, é necessário que ele tenha o apoio do Congresso Nacional para fazer as reformas estruturantes e para fazer sobretudo a reforma política”, disse a jornalistas.

Renan adiantou que não participará da votação de admissibilidade do pedido de impeachment da presidente para “manter a independência, a isenção e a imparcialidade” na condução do processo. 

A sessão do Senado foi aberta às 10h, uma hora após o previsto. Renan destacou que se esforçaria para terminá-la antes das 22h, mas admitiu não saber se isso seria possível. 

Se o pedido de análise do processo de impeachment for aceito por maioria simples do total de 81 senadores, a presidente será afastada por um período de até 180 dias, e o vice-presidente Michel Temer assumirá a Presidência interinamente.

Matéria atualizada às 12h03