Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

CNI: falta de trabalhador qualificado afeta 69% das indústrias

Pesquisa da entidade mostra que escassez de mão-de-obra treinada é maior em pequenas empresas, e no setor de vestuário

São Paulo – Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostra que sete em cada 10 indústrias brasileiras enfrentam problemas por causa da falta de trabalhador qualificado. A principal reclamação destas empresas é que a falta de mão-de-obra prejudica a competitividade. 

No estudo, foram ouvidas 1,6 mil empresas de todos os portes. Dentre aquelas que alegaram dificuldades para encontrar profissionais preparados, 78% oferecem capacitação dentro da própria companhia.

A tarefa, entretanto, é mais complicada do que parece, porque não depende apenas de formação técnica. A pesquisa mostra que, para 52% dos executivos entrevistados, as falhas na educação básica dos funcionários constituem a principal dificuldade na hora do treinamento.

“O que chama a atenção é que as empresas estão sentindo as mesmas dificuldades que os cursos de capacitação já tinham identificado, ou seja, a pouca qualidade da educação básica”, disse o gerente-executivo da Unidade de Pesquisa da CNI, Renato da Fonseca.

Análise por porte e setor

A pesquisa da CNI mostra que as indústrias que menos sofrem prejuízos por causa da má qualificação dos trabalhadores são as de grande porte (63%). Entre as pequenas e médias empresas, 70% afirmaram ter esta dificuldade.

Independente do porte, o maior impacto da falta de mão-de-obra especializada é na produção. Mais de 90% das indústrias participantes da pesquisa não conseguem encontrar operadores, e 82% encontram problemas para contratar técnicos.

Ainda segundo o estudo, ainda que o problema seja generalizado, alguns setores encontram maiores dificuldades para contratar bons profissionais. Os mais afetados são os de vestuário (84% das empresas), equipamentos de transporte (83%), limpeza e perfumaria (82%) e móveis (80%).