Cidades ignoram Alckmin e multas municipais da água não saem

A minuta de projeto de lei municipal que estabelece multa para quem desperdiçar água potável foi ignorada por prefeitos e vereadores da região metropolitana

São Paulo – Proposta em dezembro pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) como uma das medidas para enfrentar a crise que ameaça o abastecimento de 20 milhões de pessoas na Grande São Paulo, a minuta de projeto de lei municipal que estabelece multa para quem desperdiçar água potável, lavando carros ou calçadas, foi ignorada por prefeitos e vereadores da região metropolitana.

Levantamento feito pela reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostra que nas 30 maiores cidades da região, incluindo a capital, o projeto de lei não avançou nas Câmaras Municipais. Na maioria dos casos, a proposta nem sequer foi enviada pelo prefeito ao Legislativo.

As cidades de Guarulhos, Guararema, Itapevi e Ferraz de Vasconcelos, por exemplo, informaram que nem receberam a minuta elaborada pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

A ideia do projeto “padrão” era que as cidades assumissem a fiscalização e ficassem responsáveis pela aplicação de multas que vão de R$ 250 a R$ 1 mil.

A resistência de prefeitos e vereadores em aprovar o projeto se explica pelo temor de que acabem dividindo a “fatura política” da crise hídrica com o governo estadual. Procurados, Sabesp e governo do Estado preferiram não comentar.

Os prefeitos reunidos no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, que agrupa sete municípios, posicionaram-se em bloco contra a multa. Eles defendem que, antes de “penalizar a população”, o governo Alckmin deve”apresentar um plano de contingência” e realizar campanhas informativas sobre o problema.

O Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat), que agrupa dez cidades, também optou por agir unido e não implementou a multa.

“Nenhuma cidade levou adiante (o projeto de Alckmin). Optamos pela conscientização”, diz Marco Aurélio Bertaioli (PSD), prefeito de Mogi das Cruzes e presidente do grupo.

Os prefeitos do consórcio da Região Oeste, que reúne oito cidades, incluindo Barueri, Cotia, Carapicuíba e Osasco, também rejeitaram a proposta.

Segundo a Secretaria de Comunicação de Carapicuíba, “todos os prefeitos do consórcio foram unânimes na decisão de não adotá-la (a multa), pois a responsabilidade da cobrança e aplicação é da Sabesp”.

Só Mairiporã informou que o projeto está em tramitação na Câmara e Itaquaquecetuba disse que o departamento jurídico avalia a proposta. As assessorias de outros nove municípios menores não responderam.

Capital

A reação negativa dos prefeitos à iniciativa de Alckmin foi impulsionada pela dificuldade de o projeto avançar na Câmara Municipal de São Paulo.

Para evitar desgaste político, o prefeito Fernando Haddad (PT), que deve disputar a reeleição em 2016, preferiu deixar a iniciativa do projeto de lei para os vereadores.

Estes, por sua vez, chegaram a aprovar uma proposta até mais rígida do que o do governador em primeira votação. Depois da repercussão negativa, porém, passaram a postergar a decisão final.

“Estão fazendo jogo de cena. O governo Haddad quer arrastar isso”, diz o vereador Andrea Matarazzo, líder do PSDB na Casa. “Talvez o projeto seja votado nesta quarta-feira (hoje). Eu defendo que a Câmara autorize a Sabesp a multar”, afirma o vereador Arselino Tatto, líder do governo na Câmara.

Em Campinas, que adotou a multa em fevereiro de 2014, nenhum morador foi autuado.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.