Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Centrão reprova petista para relatoria da reforma política

Em jantar, líderes do bloco fizeram discussão preliminar sobre mudanças no sistema eleitoral brasileiro

Brasília – Em jantar organizado pelo deputado Jovair Arantes (PTB-GO), líderes de partidos que integram o chamado “Centrão”, bloco informal que reúne algumas legendas de centro-direita na Câmara, não esconderam o desconforto pela indicação de um parlamentar petista para a relatoria da reforma política na Casa. 

A comissão para discutir mudanças no atual sistema eleitoral brasileiro na Casa deve ser instaurada nesta semana. 

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), escalou o deputado Vicente Cândido (PT-SP) para a relatoria da proposta na semana passada. Convidados consultados por EXAME.com afirmaram que nenhum dos líderes presentes aprovou a indicação do petista. 

Os líderes Rogério Rosso (PSD-DF), Baleia Rossi (PMDB-SP), Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), Aelton Freitas (PR-MG), Márcio Marinho (PRB-BA) e Paulinho da Força (SD-SP) eram alguns dos convidados de Jovair. No cardápio, peixada com pirão e filé mignon, arroz e salada.

A EXAME.com, Rosso afirmou que o prato principal foi reforma política. De acordo com o líder do PSD, a sucessão da presidência da Câmara não foi tratada em nenhum momento. 

“Há um consenso de que o tema sucessão só deve ser tratado após a aprovação da PEC do teto de gastos na Câmara em segundo turno. A prioridade agora precisa ser a aprovação de medidas que deem fôlego a economia”, disse Rosso. 

Em uma discussão, classificada como preliminar, sobre os itens da reforma política, os líderes deram seu posicionamento sobre os itens propostos. Entre os assuntos abordados, destaque para o fim das coligações partidárias em eleições proporcionais, a instituição da cláusula de barreira para os partidos políticos e a extinção da obrigatoriedade do voto.