Centrão promete dar trabalho para aprovar reforma da Previdência

Após ensaiar traição ao governo Temer, bloco voltou atrás e deu fôlego para projeto de salvação da economia brasileira

Brasília – Após fechar acordo para votar a admissibilidade da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), o Centrão deu sinais de que baixou a guarda momentaneamente e que pode voltar a dar dor de cabeça ao presidente Michel Temer (PMDB) no futuro.

Antes do acordo, o bloco de legendas conservadoras chegou a ensaiar uma traição ao governo ao se alinhar com a oposição na estratégia de obstruir a votação da matéria na CCJ.

O Centrão, porém, se rendeu ao cortejo do governo e decidiu aprovar a admissibilidade do projeto de lei de abuso de autoridade.

O deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP), conhecido como Paulinho da Força, afirmou a EXAME.com que, mesmo tendo fechado o acordo com outros líderes partidários, o Centrão não está de acordo com o mérito da matéria.

“Não concordamos com o mérito da reforma da Previdência. Concordamos em aprovar o texto agora, mas depois questionaremos na comissão especial”, disse parlamentar do Solidariedade.

O entendimento foi possível após o governo se comprometer a só instalar após a eleição da nova Mesa Diretora da Câmara, em fevereiro, a comissão especial que analisará a matéria – passo seguinte à CCJ na tramitação no texto.

Rumores indicam que Centrão só dará apoio ao texto, considerado essencial para que a economia se recupere, se o presidente Michel Temer (PMDB) permanecer isento sobre a disputa do comando das eleições à presidência da Câmara.

O bloco está de olho na vaga e pretende derrubar a candidatura de reeleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao comando da Casa.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Dar mais trabalho? Estamos sabendo, aprovar 49 anos para se aposentar ou seja dar mais 14 anos de trabalho para o trabalhador.