Dólar R$ 3,27 -0,31%
Euro R$ 3,68 0,62%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,43% 63.559 pts
Pontos 63.559
Variação 1,43%
Maior Alta 5,99% SMLE3
Maior Baixa -3,10% SUZB5
Última atualização 24/05/2017 - 16:20 FONTE

Casos de doença misteriosa são investigados em Fortaleza

As secretarias de Saúde do Estado e de Fortaleza estão monitorando a ocorrência considerando também os casos notificados na Bahia

Fortaleza – Três casos suspeitos de mialgia aguda não esclarecida – doença da urina escura – estão sendo investigados em Fortaleza.

Um deles é de uma mulher que veio de Salvador, onde está havendo um surto, e os outros dois são homens do círculo de convivência da primeira.

As secretarias de Saúde do Estado e de Fortaleza estão monitorando a ocorrência considerando também os casos notificados na Bahia.

De acordo com nota técnica divulgada pela Secretaria de Saúde do Ceará (Sesa), os casos suspeitos na capital cearense foram notificados até a última terça-feira, 10.

E a coleta de amostras dos pacientes foram encaminhados para o Laboratório Central do Estado.

Os pacientes relataram sintomas como dores musculares intensas de início súbito, principalmente na região cervical, membros inferiores e superiores e mudança na tonalidade da urina (variando entre vermelho escuro e castanho).

Nenhum deles apresentou febre ou dor de cabeça.

Segundo o último informe epidemiológico sobre a doença divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab), foram notificados, entre os dias 14 de dezembro e 5 de janeiro, 52 casos suspeitos de mialgia aguda nos municípios de Salvador (50), Vera Cruz (1) e Lauro Freitas (1). A mediana de idade dos pacientes foi de 42 anos, variando de 8 a 77 anos.

As causas da doença ainda não são conhecidas. Suspeita-se de contaminação alimentar por meio da ingestão de peixe.

Amostras de peixe “in natura” foram encaminhadas pela Sesab para o Instituto Adolfo Lutz, em São Paulo, para investigação de metais pesados. Duas amostras de peixes consumidas por pacientes serão enviadas para análise no Alabama (EUA).

O tratamento é sintomático e não recomenda-se o uso de anti-inflamatórios.