Capez usou ONG para receber R$ 100 mil, diz delator

A informação foi dada à Lava Jato por Carlos Armando Paschoal, um dos 77 executivos da Odebrecht que firmaram acordo de delação premiada

O ex-presidente da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo deputado Fernando Capez (PSDB) recebeu R$ 100 mil da Odebrecht por meio de doação em dinheiro vivo para a ONG ‘C Tem Que Saber C Tem que Curar’.

A informação foi dada à Operação Lava Jato por Carlos Armando Paschoal, um dos 77 executivos da Odebrecht que firmaram acordo de delação premiada.

O tucano foi patrono da entidade e, em 2008, chegou a criar a Frente Parlamentar de Conscientização e Combate às Hepatites Virais. De acordo com o delator, Capez tinha o codinome ‘Brasília’ em planilhas de repasses da empreiteira.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal que seis investigações sobre deputados estaduais de São Paulo sejam encaminhadas à Procuradoria da República paulista. O total das doações aos parlamentares mencionadas por delatores chega a R$ 1 milhão. O sigilo de apenas uma das investigações foi mantido pelo relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin.

Uma petição tem como principal foco o financiamento eleitoral da campanha do ex-presidente da Assembleia Legislativa Fernando Capez.

O executivo da Odebrecht Carlos Armando Paschoal relatou que a relação entre a empreiteira e o tucano se deu por meio de uma campanha de combate à hepatite C realizada pela ONG ‘C Tem Que Saber C Tem que Curar’, que tinha à época Capez como patrono.

“E essa ONG havia trabalhado comigo. Feito um trabalho bastante interessante quando implantamos a rodovia Dom Pedro, na região de Campinas, porque tinha uma interface conflituosa com 30 Prefeituras. E uma das ideias que ocorreram foi fazer um trabalho marcante que melhorasse nosso relacionamento com as sociedades locais, prefeitos, etc.. então fizemos a campanha através da ONG”, conta o delator.

Após a parceria, nas proximidades das eleições de 2010, quando Capez disputava a reeleição ao cargo de deputado estadual, o delator diz ter sido procurado por Luiz Carlos Francisco Martucci, fundador da entidade, que hoje é funcionário de gabinete do tucano na Assembleia.

De acordo com o executivo da empreiteira, a quantia de R$ 100 mil foi paga em três parcelas ‘em espécie’ e foram operacionalizadas com ‘o próprio Martucci’. “Durante as eleições eu entendia que ele era quem ajudava o candidato”.

O delator da Odebrecht revela ter se encontrado apenas uma vez, ‘ao acaso’, com o deputado estadual, na churrascaria Fogo de Chão, em São Paulo.

“Eu nunca estive com o candidato. Para ser mais exato, um dia eu estava em uma churrascaria almoçando com essa pessoa da ONG e daí o candidato entrou, sentou em outra mesa e ele me levou para apresentar. ‘Esse é o Carlos Armando da Odebrecht’.”

Com a palavra, Fernando Capez

O deputado Fernando Capez não tem e nunca teve qualquer relação com a empresa citada.

Confirma que, em 2010, recebeu doação legal da empresa para a sua campanha, a qual foi recebida por meio de transferência eletrônica de forma transparente e devidamente informada à Justiça Eleitoral.

O deputado não teve contato com nenhum diretor ou funcionário da Odebrecht, nem teve qualquer atuação em favor da empresa.

Não existe nenhum outro valor oriundo dessa empresa que tenha entrado na campanha eleitoral do deputado.

Com a palavra, Francisco Martucci

A ONG que presidi na época não recebe e nunca recebeu recursos públicos.

O braço social da Odebrecht apoiou durante muitos anos nossa causa.

Em 2010 solicitamos recursos para a campanha do deputado Fernando Capez, sem especificar valor.

Posteriormente, soubemos que a doação foi feita por meio de transferência eletrônica e devidamente declarado à Justiça Eleitoral.

Desconhecemos qualquer outra doação eleitoral da empresa para essa campanha.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Ong C Tem que Saber C tem Que Curar

    RESTABELECENDO A VERDADE
    Como ex-presidente da ONG C TEM QUE SABER C TEM QUE CURAR envio a nota abaixo a título de restabelecer a verdade em face a NOTICIAS que vem sendo veiculadas a nosso respeito:
    “Em que pese nosso respeito a esse importante veículo de comunicação, o título da matéria acima não está em perfeita consonância com o depoimento do delator.
    O delator disse que jamais teve contato com o deputado Fernando Capez e que o parlamentar jamais lhe pediu algo.
    Disse também que nunca falou sobre campanha eleitoral com o deputado.
    Disse ainda, que a Ong C tem que saber C tem que Curar realizou campanhas junto a área social da empresa no enfrentamento à hepatite c, com campanhas de detecção precoce, ajudando muita gente a se tratar do vírus da hepatite C e faz um trabalho maravilhoso fácil de ser constatado.
    Disse que apoiou o trabalho também porque seu pai teve hepatite C.
    Disse na sua delação que em momento algum repassou recursos para a campanha por meio da ONG, nem poderia, porque isso nunca aconteceu.
    Afirmou que, em 2010, o representante da ONG, como pessoa física, com o consentimento do deputado, lhe pediu uma doação eleitoral para a campanha do parlamentar.
    Essa doação efetivamente ocorreu, sendo que a mesma foi feita por meio de transferência eletrônica e que, oficialmente, foi declarada à Justiça Eleitoral, no valor de R$ 40 mil.
    Portanto, nunca recebi em dinheiro qualquer quantia para a campanha do deputado nem por meio da ONG e nem como pessoa física.
    Não é justo que uma Associação de Pacientes com trabalho sério ao longo de 13 anos possa ter a sua imagem maculada dessa forma”.

    Francisco Martucci⁠⁠⁠⁠
    Ex-Presidente da ONG C Tem que Saber C tem que Curar