Campos selecionou pilotos pessoalmente

O comandante Marcos Martins pilotava aeronaves Citation desde 2007. O copiloto Geraldo Cunha trabalhara na TAM antes de ser contratado para a campanha

São Paulo – Eduardo Campos avaliou e selecionou pessoalmente os dois pilotos que compunham a tripulação do Cessna Citation que caiu em Santos há uma semana, matando o candidato e outros seis ocupantes do jato executivo.

Os dois tinham mais de 20 anos de experiência. O comandante Marcos Martins pilotava aeronaves Citation desde 2007. O último emprego do copiloto Geraldo Cunha antes de ser contratado para trabalhar na campanha de Campos foi a TAM.

O ex-governador de Pernambuco gostava de aviões. Segundo um técnico do centro de manutenção de Sorocaba, onde foi feita a revisão de rotina do jato PR-AFA há cerca de dois meses, os pilotos contaram que Eduardo Campos também fez ao menos um voo de teste a bordo do Cessna.

Indicado pelo PSB para concorrer à Presidência da Republica em 14 de abril, Campos passou a usar o 560XL quase em seguida – às vezes, levava parentes nas viagens.

Campos preferia sempre sentar-se na fila da esquerda, na primeira poltrona, logo atrás da cabine de comando. A posição oferece mais espaço para as pernas e facilita contato direto com os pilotos. Havia também uma pequena mesa retrátil e conexão para computador portátil.

O presidenciável chamava Cunha de “meu bispo”, uma brincadeira com o nome completo do piloto (Geraldo Magela da Cunha) semelhante ao do cardeal Geraldo Majella Agnelo, arcebispo emérito da Bahia.

Para amigos e assessores que voaram com ele, ficou a memória do homem calmo, que se imitava a experimentar o lanche disponível na pequena copa do avião e exigia foco na agenda de cada compromisso, revisando cada etapa exaustivamente.

A presença de técnicos da empresa fabricante do Citation, a americana Cessna, e da canadense Pratt & Whitney, responsável pelos motores, na investigação do acidente é normal.

Especialistas do Cenipa, órgão da Aeronáutica que conduz o processo, têm controle de toda a operação. Segundo um oficial da área, “a contribuição dos estrangeiros limita-se ao fornecimento de informações”.

Hipótese coerente

Para o analista de aviação Richard Saunders, ouvido pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, a hipótese de uma falha no sistema de flaps, freios aerodinâmicos destinados a expandir a área de sustentação da aeronave, “é coerente com o fato de o dispositivo ter sido localizado recolhido, quando deveria estar aberto”.

Saunders não descarta a ocorrência do fenômeno “over thrust”, que acontece quando a turbina supera seu limite e perde potência em vez de ganhar força. Ambos os motores estavam sendo exigidos ao máximo durante a arremetida executada pelo comandante Martins.

Autoridades federais apuram a condição formal da propriedade do PR-AFA, listado entre os bens da AF Andrade Empreendimentos e Participações.

O grupo atravessa dificuldades financeiras. A aeronave, avaliada em US$ 10 milhões, estaria sendo vendida por US$ 7 milhões.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.