Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Brecheret Filho compara pichação a explosões do EI

A escultura de Victor Brecheret amanheceu coberta de tinta colorida nesta sexta-feira bem como a estátua do Borba Gato

São Paulo – O engenheiro civil Victor Brecheret Filho disse que a pichação na escultura do pai, o Monumento às Bandeiras, localizado entre o Parque do Ibirapuera e a Assembleia Legislativa, foi um ato equivalente às explosões e demolições protagonizados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) em monumentos da Síria.

A escultura de Victor Brecheret amanheceu coberta de tinta colorida nesta sexta-feira, 30, bem como a estátua do Borba Gato, em Santo Amaro, os dois na zona sul de São Paulo. Em ambos, os pichadores usaram as mesmas cores: rosa, verde e amarelo.

“É um ato de barbárie, que equivale, com a devida escala, àquelas explosões do Estado Islâmico, que demoliram monumentos milenares do patrimônio da humanidade. Puseram dinamite no que é herança cultural, com dois mil anos de história. É uma raiva. Uma pena”, afirmou Brecheret Filho à reportagem.

Brecheret Filho lamentou a ação e disse que está “indignado”. O filho do escultor afirmou não ter ideia de quem pode ter pichado o monumento.

“Se tem motivação política, é uma lástima. Quem fez pode estar aproveitando um momento político, contrário a alguma ideia que ele tenha, para se vingar da sociedade. Acho lastimável. (Pichar o monumento) não é um ato de protesto, um ato político”.

O engenheiro acompanhou a limpeza do monumento na manhã desta sexta-feira e disse que a preocupação é com a sequência dos atos. Nos cálculos dele, esta é a 8ª vez que a escultura é alvo de pichação. “Acho que isso é uma crescente, uma sequência. Precisamos encontrar alguma forma de ajudar a interromper as pichações em geral”, defendeu.

Executado por Victor Brecheret, o Monumento às Bandeiras – apelidado de “empurra-empurra” pelos paulistanos – retrata o esforço dos bandeirantes para desbravar o Brasil.

Estão representadas 29 figuras humanas, entre portugueses, negros, mamelucos e índios. Eles puxam uma canoa de monções, utilizada nas expedições fluviais. Com 240 blocos de granito de 50 toneladas, a escultura foi encomendada pelo governo paulista em 1921 e inaugurada em 1954.

Já a estátua representa Manuel Borba Gato, que acompanhou a expedição do bandeirante Fernão Dias Paes Leme (1608-1681), conhecido como O Caçador de Esmeraldas. Borba Gato foi administrador de estradas e juiz de Sabará.