Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Brasil perde defensor da democracia, diz Temer sobre d. Evaristo

"Dom Paulo foi um defensor da liberdade e sempre teve como norte a construção de uma sociedade justa e igualitária", completou o presidente

Brasília – O presidente Michel Temer divulgou nota oficial para lamentar a morte do cardeal d. Paulo Evaristo Arns, arcebispo emérito de São Paulo, que faleceu aos 95 anos nesta quarta-feira, 14.

“Dom Paulo foi um defensor da liberdade e sempre teve como norte a construção de uma sociedade justa e igualitária. O Brasil perde um defensor da democracia e ganha para sempre mais um personagem que deixa lições para serem lembradas eternamente”, escreveu o presidente.

O ministro das Relações Exteriores, José Serra, também emitiu um comunicado dizendo que recebeu com tristeza a notícia da morte do arcebispo e destacou que “Dom Paulo é um exemplo para aqueles que acreditam na justiça social e na melhoria das condições de vida da população. Dedicou seu sacerdócio à defesa dos direitos humanos, em especial dos mais pobres”.

Serra transmitiu “sentimentos” “a seus familiares e a toda a população de São Paulo, que ele tanto amou e pela qual tanto fez” e disse que “São Paulo e o Brasil perdem um gigante; eu, um amigo e conselheiro”.

O ministro destacou ainda que à frente da Arquidiocese de São Paulo entre 1970 e 1998, Arns trabalhou “ativamente para o retorno da democracia em nosso país” e ressaltou a criação da Comissão Brasileira de Justiça e Paz de São Paulo, que “desempenhou papel fundamental no combate à tortura durante o regime militar”.

Ex-presidente

A ex-presidente Dilma Rousseff também divulgou uma nota destacando que d. Paulo Arns era “um grande líder progressista incansável na defesa dos direitos humanos e da liberdade”.

“D. Paulo será sempre lembrado como símbolo da luta pela democracia, por sua atuação contra a ditadura. O Brasil perde um defensor dos pobres, que passou a vida pregando igualdade de direitos e o fim da exclusão social. Descanse em paz, amigo do povo. Seguiremos lutando!”, escreveu a ex-presidente.