Dólar R$ 3,28 0,39%
Euro R$ 3,67 -0,12%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 0,95% 63.257 pts
Pontos 63.257
Variação 0,95%
Maior Alta 5,04% SMLE3
Maior Baixa -3,99% MRFG3
Última atualização 24/05/2017 - 17:20 FONTE

Bolívia vê indícios de tráfico de influência e omissão com LaMia

O Ministério abriu processo contra a companhia aérea e alguns funcionários, afirmou o ministro Milton Claros.

La Paz – O ministro de Obras Públicas da Bolívia, Milton Claros, disse neste domingo que o governo encontra indícios de descumprimento de deveres e de tráfico de influência na fiscalização à companhia aérea LaMia e à preparação para o voo da Chapecoense que caiu perto de Medellín e deixou 71 mortos.

“Encontramos indícios de possíveis descumprimentos de deveres, descumprimento de controle interno e, possivelmente, uso indevido de influências”, disse o ministro em entrevista ao canal de televisão estatal.

As suspeitas se baseiam na relação de parentesco entre um ex-diretor da Direção Geral da Aeronáutica Civil (DGAC) e o diretor-geral da LaMia, Gustavo Vargas Villegas e Gustavo Vargas Gamboa, filho e pai.

Vargas Villegas, que já deixou o cargo, era diretor do registro nacional da DGAC, e portanto era responsável por conceder licenças de voo às empresas.

Claros lembrou que o Ministério de Obras Públicas – encarregado do transporte aéreo – investiga a regularidade do processo pelo qual a LaMia obteve sua licença de voo e também a autorização do plano de voo do avião acidentado.

As autoridades definiram um prazo de dez dias para concluir a investigação. O Ministério abriu processo contra a companhia aérea e alguns funcionários, afirmou Claros.

Na opinião do ministro, o comportamento de alguns funcionários da DGAC e da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea (AASANA) requer punições drásticas.

“É um tema penal. Infelizmente mais de 70 pessoas foram sacrificadas por uma inação, uma irresponsabilidade ao cumprimento da legislação”, opinou.

Claros acrescentou que o Ministério se dispõe a realizar auditorias, não só da LaMia, mas também de outras companhias que operam voos charter, âmbito no qual a empresa era especializada.

O ministro detalhou ainda que DGAC e AASANA, cujos diretórios foram suspensos para não haver intervenção na investigação, são organismos autônomos e descentralizados, mas também prometeu aumentar a fiscalização por parte do Ministério.