Boa, mas insegura, BR-153 é caminho de produção agrícola

Vencedor da licitação terá a responsabilidade de ampliar a capacidade da rodovia e diminuir suas taxas de acidentes e mortalidade, que hoje esão entre as maiores da região

São Paulo – Famosa por ligar o meio-norte ao centro-sul do país, conectando o Pará ao Rio Grande do Sul, o trecho da BR-153 que vai a leilão nesta quarta-feira, entre Goiás e Minas Gerais, funciona como importante canal de escoamento da produção agrícola do Centro-OesteAo vencedor da licitação, caberá a missão de ampliar e melhorar a segurança da rodovia, hoje uma das mais mortais de Goiás, embora avaliada como boa pela Confederação Nacional do Transporte (CNT).

A BR-153, a quarta maior estrada do Brasil, será leiloada entre Alexânia, em Goiás, e Frutal, em Minas, sendo oferecida em conjunto com as rodovias BR-060 e BR-262. 

O trecho que será licitado, incluindo as demais, tem 1.176,50 quilômetros e passa por 47 municípios, entre eles, áreas urbanas de grande importância econômica para a região, como Brasília, Goiânia, Betim, Uberaba e Monte Alegre. 

A rodovia precisará de investimentos que garantam a segurança de seus passageiros. No trecho que passa por Goiás, a BR-153 é considerada como a 2ª mais mortal do estado. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, em 2012, foram 2.583 acidentes com 136 mortes – isto é, um óbito a cada 5,1km. 

Leilão

De acordo com Agência Nacional dos Transportes Terrestres (ANTT), cinco grupos apresentaram propostas para o leilão. O vencedor, que poderá explorar por 30 anos, será o que apresentar a proposta com o menor valor de pedágio dentro do limite fixado pelo edital que é de R$5,94 para cada 100 quilômetros. 

Entre as obras que devem ser feitas pelo vencedor está a duplicação de 647,8 quilômetros. Esttima-se que R$ 7,15 bilhões serão investidos no período da concessão

Este será o terceiro trecho rodoviário leiloado pelo governo dentro do Plano de Investimento em Logística (PIL).