Avaliação negativa do governo Temer sobe para 44,1%, diz CNT

Segundo a pesquisa encomendada pela CNT, 10,3 por cento consideram o governo Temer ótimo ou bom, ante 14,6 por cento em outubro

São Paulo – A avaliação do governo do presidente Michel Temer piorou em fevereiro na comparação com outubro, mostrou nesta quarta-feira pesquisa CNT/MDA, num momento em que o país se esforça para superar a profunda recessão que tem gerado recordes de desemprego.

Segundo a pesquisa encomendada pela Confederação Nacional do Transporte, 10,3 por cento consideram o governo Temer ótimo ou bom, ante 14,6 por cento em outubro. Os que acham o governo ruim ou péssimo passaram a 44,1 por cento, ante 36,7 por cento no levantamento anterior.

A avaliação regular foi para 38,9 por cento, ante 36,1 por cento. Ao mesmo tempo, a parcela dos que não tinham opinião ou não quiseram responder recuou para 6,7 por cento, ante 12,6 por cento. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.

O desempenho pessoal de Temer foi aprovado agora por 24,4 por cento, ante 31,7 por cento em outubro, enquanto a desaprovação foi para 62,4 por cento, ante 51,4 por cento.

Foram ouvidas 2.002 pessoas em 138 municípios do país, entre os dias 8 e 11 de fevereiro.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Luis Pereira

    Esses políticos precisam aprender que a informação hoje é em tempo real 24 horas do dia, então o cidadão brasileiro é muito mais informado. Tiramos uma anta que foi substituída por uma marionete teimosa fica dificil, em breve estaremos nas ruas com Fora Temer.

  2. Heraldo Junior

    O Presidente precisa se afastar dos comprometidos, o povo não quer mais acordo de políticos, todos os acordos prejudicam o povo com esse congresso. Quem mede sua popularidade e avalia é o povo e não esses parlamentares comprometidos . Uma grande aprovação o parlamentar ajoelha para o Presidente. O congresso que manter o Presidente sob sua rédia. Presidente faça o que o povo quer e seus politiqueiros que só querem continuar mamando e não irem para cadeia.