Apple no topo; Direitos mantidos…

“Comandante máximo”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi denunciado pela força-tarefa da Operação Lava-Jato por suposto recebimento de vantagens indevidas no caso do tríplex do Guarujá, em São Paulo. Acompanham o petista no processo mais sete investigados, entre eles sua esposa, Marisa Letícia, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamoto, e o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, empresa acusada de custear reformas no apartamento. O procurador Deltan Dallagnol disse em coletiva de imprensa que o MPF tem provas de que Lula era o “comandante máximo do esquema de corrupção identificado na Lava-Jato” e teria recebido apenas da empreiteira OAS cerca de 3,7 milhões de reais em vantagens indevidas.

3,7 mi para Lula

Foram 2,4 milhões de reais em reformas e 1,3 milhão de reais pela mudança de acervo da Presidência após o término do mandato de Lula. Os procuradores detalharam também que a figura do ex-presidente representa o centro de um esquema para manter a governabilidade durante seu mandato, a perpetuação no poder pelo poder econômico do partido e o enriquecimento pessoal ilícito. Os crimes que integram a denúncia desta quarta-feira somam 87,6 milhões de reais. “O PT e, particularmente, Lula eram os principais beneficiários dos esquemas criminosos de macrocorrupção no Brasil”, afirmou o procurador. A denúncia foi encaminhada para apreciação do juiz federal Sergio Moro. Não se confirmou se há nas diligências um pedido de prisão.

Resposta

O Instituto Lula usou as redes sociais do ex-presidente para responder às acusações. “Desde 30 de janeiro de 2016, Lula tornou públicos os documentos que provam que ele não é o dono de nenhum apartamento no Guarujá”, afirma post no Facebook. “Lula esteve apenas uma vez no edifício, quando sua família avaliava comprar o imóvel. Jamais foi proprietário dele nem sequer dormiu uma noite no suposto apartamento que a Lava-Jato desesperadamente tenta atribuir ao ex-presidente.” Em entrevista coletiva no fim da tarde, o advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, afirmou que a força-tarefa promoveu um “improvável espetáculo judicial e midiático”.

Direitos mantidos

O presidente Michel Temer negou que o governo esteja prestes a cortar conquistas dos trabalhadores com a reforma trabalhista, dizendo que a equipe não é “tão idiota” de chegar ao poder e restringir tais direitos. O peemedebista fez um apelo aos parlamentares da base aliada no Congresso para que refutem a tese em discursos da tribuna, além de defender que o teto de gastos não representará cortes em saúde e educação. Sobre a carga de 12 horas, disse que a medida seria apenas para as categorias que aceitassem em comum acordo, com folgas devidamente estabelecidas.

Hypermarcas sem camisinha

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a venda da divisão de preservativos da empresa de bens de consumo Hypermarcas para o grupo britânico Reckitt Benckiser. A única exigência do órgão é que as operações da marca de lubrificantes KY sejam vendidas a outro comprador, para que haja rivalidade no mercado. Dentro da divisão de preservativos, há marcas como Jontex, Olla e Lovetex. Os britânicos já detém a marca Durex, além das operações do KY fora do Brasil. A venda está avaliada em 675 milhões de reais foi sido anunciada em janeiro. Apesar da aprovação do acordo, as ações ordinárias da Hypermarcas fecharam o dia estáveis.

Venezuela barrada

Após meses de impasse, os países fundadores do Mercosul decidiram impedir que a Venezuela assuma a presidência rotativa do bloco neste semestre. A decisão foi quase unânime: Brasil, Paraguai e Argentina votaram a favor de barrar os venezuelanos, e o Uruguai se absteve. Um colegiado ficará encarregado da liderança do Mercosul até o dia 1o de dezembro, prazo para a Venezuela adequar-se aos requisitos prioritários do grupo, como respeito aos direitos humanos e integração dos mercados. Do contrário, o país governado por Nicolás Maduro poderá deixar de ser membro pleno — posto que lhe foi concedido em 2012.

Israel e EUA: acordo de 38 bi

Estados Unidos e Israel assinaram um acordo de ajuda militar no valor recorde de 38 bilhões de dólares, que serão distribuídos ao longo dos próximos dez anos. Com o montante, os Estados Unidos buscam ajudar os israelenses a financiar o setor de defesa e segurança — como a construção de um sistema contra foguetes de grupos terroristas. Em troca, o governo israelense, maior receptor de ajuda financeira dos Estados Unidos, deve se comprometer a adquirir somente equipamentos americanos. Finalizado a poucos meses do fim do governo do presidente Barack Obama, o pacote simboliza um grande compromisso entre os dois países, mesmo depois de os governos discordarem, nos últimos anos, sobre temas como o acordo nuclear com o Irã e a questão dos territórios palestinos.

Apple em alta

As ações da empresa de tecnologia Apple atingiram nesta quarta-feira seu maior nível em 2016, com alta de 4,7%. Como a ação está cotada a 113,03 dólares, o valor de mercado da empresa chegou a 607 bilhões — muito acima dos 535 bilhões da Alphabet, dona do Google, e dos 440 milhões da Microsoft. Ao todo, os papéis da companhia do presidente Tim Cook valorizaram 10% nos últimos três dias, em virtude do lançamento do iPhone 7 e do sistema operacional iOS 10. Outro fator responsável pelo crescimento são os problemas da rival Samsung, que teve de pedir que os clientes devolvessem milhões de unidades do Galaxy Note 7 por causa de um defeito que fez com que dezenas de baterias explodissem.

Monsanto e Bayer: negócio fechado

A companhia agroquímica americana Monsanto bateu o martelo e decidiu finalmente aceitar uma proposta de aquisição de 66 bilhões feita pela farmacêutica alemã Bayer. A oferta de 128 dólares foi a terceira feita pela Bayer para adquirir a empresa americana, no que se tornou a transação mais cara da história. Juntas, as empresas vão controlar mais de um quarto do mercado de sementes e pesticidas, com negócios no valor de 23 bilhões de euros. Todo esse volume certamente chamará a atenção de autoridades regulatórias pelo mundo, e as companhias já se preparam para responder a 30 ações, no mínimo — caso o acordo não seja aprovado, a Bayer pagará multa rescisória de 2 bilhões de dólares à Monsanto. A expectativa é que a fusão seja concluída até o fim de 2017.

Os carros inteligentes do Uber

A empresa de transporte por aplicativo Uber fez seu primeiro teste com carros sem motorista, em Pittsburgh, na Pensilvânia — a cidade é sede de um centro de tecnologia avançada aberto pela Uber no ano passado. Usuários comuns, selecionados pela Uber, passarão a ter à disposição quatro veículos desse tipo, os quais poderão ser chamados normalmente via aplicativo no perímetro de Pittsburgh. Todos são do modelo Ford Fusion. Com o desenvolvimento do programa de veículos inteligentes, a empresa poderá, no futuro, substituir parte de seu 1,5 milhão de motoristas. Companhias como as montadoras Tesla e General Motors, além da desenvolvedora de softwares Alphabet, do Google, também possuem modelos de veículo autônomo.
Venezuela fora