A temporada mais desastrosa de The Walking Dead finalmente acabou

Finale da 7ª temporada trouxe surpresas. A pergunta é se serão suficientes pra trazer de volta os milhares de espectadores que abandonaram a série

**Disclaimer -> sei que esse post está levemente atrasado, uma vez que o último episódio da 7ª temporada foi ao ar no dia 2. Contudo, como sou ainda editora de Mundo e o mundo não para, não consegui publicá-lo antes. Mas, agora, vai!

O início do mês foi de alívio para os fãs de “The Walking Dead“. Depois de uma sétima temporada sofrível, o último episódio (o 99º da história da série) trouxe um pouco de fôlego e algumas surpresas interessantes para os espectadores.

Mas, antes de começarmos a falar sobre o season finale, deixo o alerta: há spoilers. Muitos.

.

.

.

.

.

.

Em “The First Day of The Rest of Your Life” (“O primeiro dia do resto da sua vida”, traduzido para o português), o sentimento de que algum dos personagens centrais está para morrer é evidente. E isso sempre foi um mérito da série, que consegue ser bem-sucedida em manter a atenção, e a tensão, do público em todos os episódios principais de diferentes temporadas.

Quem não lembra do midseason finale da 4ª temporada? Um dos melhores na minha opinião, no qual Hershel, o fazendeiro e guru motivacional do grupo de Rick, é morto pelo melhor vilão que essa série já viu, o Governador.

Pois, aqui, a tom de que algo muito importante irá acontecer começa a se construir cedo, embora o fato de que seria Sasha a grande estrela do momento não tenha sido exatamente uma surpresa.

Agora, a forma como isso aconteceu foi interessante: depois de conseguir que Eugene lhe entregasse uma substância fatal, ela “aceita” ajudar Negan a lidar com Rick. Ele a coloca dentro de um caixão e a leva com seu grupo para a entrada de Alexandria.

O que ele não esperava era que Sasha tivesse um plano muito melhor em mente. Ela consome a tal substância e morre ainda dentro do caixão. Negan então faz todo um drama para Rick antes de libertá-la. Ao fazê-lo, percebe que ela já está transformada em zumbi e pronta para matá-lo.

Isso acaba não acontecendo, mas que foi bonito de ver o medo nos olhos de Negan, isso foi. Pela primeira vez, o público testemunhou alguma fragilidade por trás daquele sorriso arrogante.

Contrariando as minhas expectativas, o episódio trouxe boas reviravoltas (além, é claro, da quase morte de Negan). Fiquei especialmente em choque com a traição do grupo liderado por Jadis, que mostra ter sido a fonte de inteligência principal dos Saviors sobre os planos de Rick, e aliviada com a chegada de Ezequiel, Carol, Morgan e, melhor ainda, a gigante Shiva.

Algumas perguntas permanecem em aberto e são boas o suficiente para trazer algum ânimo dos espectadores em relação à 8ª temporada. Uma delas é o papel que Dwight terá daqui em diante. Depois de dizer (o que não significa muita coisa) que lutará contra Negan, há espaço para um protagonismo maior no futuro. Mas é difícil prever qual protagonismo será esse.

No geral, foi um episódio, digamos, melhor, ainda mais considerando a irregularidade da sétima temporada como um todo. Se eu tinha prometido nunca mais voltar depois de muitas decepções, fiquei particularmente intrigada com a guerra que deve acontecer daqui em diante. Intrigada não, mas com um sentimento de ambivalência.

Fato é que os produtores da série terão um problemão para resolver antes da estreia da próxima fase e que é voltar a ser um seriado atraente para os milhares de espectadores que o abandonaram no decorrer da sétima temporada.

A série continua entre as mais populares, é verdade. E, justiça seja feita, o primeiro episódio (o fim do mistério de quem, afinal, foi morto por Negan e sua Lucille), foi um dos mais populares da história de The Walking Dead, atrás, apenas, da estreia da 5ª temporada (Terminus, canibais, etc).

O problema foi justamente a falta de ritmo a partir daí. De acordo com números da Nielsen, divulgados pelo site da revista Variety, entre o primeiro e o último episódio da 7ª temporada, a queda de espectadores foi de 33% e, na comparação dos finales, o mais recente registrou a pior audiência desde a 2ª temporada (Saudades, Dale!).

Já na comparação com a 6ª temporada, informou o site Screener, a 7ª observou a retração de 17% na audiência.

Conclusão: estarei de volta para a 8ª temporada. A questão é: será que outros estarão? Espero que a Rosita não…mas esse tema fica para outro post.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. nathália Cardoso
  2. Renato Santiago

    Gostaria apenas de dizer EU JÁ SABIA. Cansei do gibi no terceiro livro.