Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Estácio acusa ex-presidente de espionar o sucessor

Após um mês de investigação, há indícios de que Rogério Melzi esteja ligado ao vazamento de informações para a concorrente Kroton

A rede de ensino Estácio concluiu a investigação iniciada há um mês para descobrir como e-mails do presidente da empresa, Pedro Thompson, foram parar nas mãos de Rodrigo Galindo, presidente da rede de ensino Kroton. Em seu relatório final, a empresa israelense ICTS, responsável pela investigação, acusa dois funcionários da área de tecnologia da informação de espionar o presidente da empresa.

Para apimentar um pouco mais a história, um relatório aponta “indícios” de que Rogério Melzi, que foi presidente da Estácio até junho do ano passado, tem “relação direta” com o caso.

Kroton e Estácio anunciaram uma fusão no ano passado, e o negócio ainda precisa ser aprovado pelo Cade. Galindo recebeu, num envelope, um e-mail em que Thompson discute a fusão com sua advogada. O presidente da Kroton entendeu que Thompson estava tentando sabotar a fusão e foi procurar João Cox, presidente do conselho de administração da Estácio, para tomar satisfação.

A Estácio abriu, então, duas frentes de investigação. Na primeira, que teve seu resultado divulgado na semana passada, concluiu que Thompson não estava tentando atrapalhar o negócio, mas discutindo cenários com a advogada da empresa. Em paralelo, o conselho de administração da Estácio contratou a ICTS, empresa israelense especializada em investigações, para apurar como os tais e-mails vazaram.

Após dezenas de entrevistas, a ICTS concluiu que dois funcionários da área de TI aproveitaram uma troca corriqueira de computadores para “clonar” a máquina do presidente da empresa. Assim, eles tiveram acesso a todos os e-mails de Thompson, inclusive os pessoais. Um colega dos dois funcionários acusados fez a denúncia, e disse aos investigadores que os próprios funcionários diziam ter enviado os e-mails a Melzi.

A ICTS, obviamente, não tem poder de polícia, e indícios estão muito longe de ser provas. A Estácio fez uma queixa-crime na Delegacia de Crimes Eletrônicos do Rio de Janeiro, que investigará o caso. Procurada por EXAME, a empresa não comentou. Melzi disse desconhecer o assunto.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s