Por que o mercado errou tanto nos últimos meses

Em setembro de 2016, o relatório Focus do BC trazia 5,36% como média das previsões para a inflação em 2017. No último Focus, o valor havia caído para 3,60%

Depois de um período sabático em que deixei de escrever minha coluna semanal na EXAME volto a este espaço procurando ainda fugir da terrível — e impossível — tarefa de ajudar o leitor a projetar o futuro de nosso difícil país nos próximos dois anos. As incertezas que rondam a sociedade brasileira são de tal ordem que, sem algumas informações sobre como vai evoluir a crise politica e institucional que vivemos, parece-me irresponsável traçar cenários alternativos. Nesse sentido creio que pouca falta fizeram minhas reflexões e palpites pois existem analistas mais afoitos para ocupar esse espaço na imprensa.

Volto hoje para comentar alguns fatos que escapam a esse cenário de incertezas e que, portanto, permitem uma reflexão do analista. Meu tema hoje é uma pergunta que precisa ser feita nesta metade do ano e que pode trazer alguma contribuição ao leitor: Por que os analistas de mercado têm errado tanto em suas previsões no espaço curto de 8 meses que se passaram após o inicio do processo de desinflação em outubro do ano passado no Brasil?.

Em setembro de 2016 o relatório Focus do Banco Central trazia como média das previsões para a inflação em 2017 o numero de 5,36%. No último Focus publicado o valor médio apresentado foi de 3,60% com alguns analistas cravando estimativas ainda mais baixas. O próprio Banco Central passou esta primeira metade do ano correndo atrás dos números realmente medidos da inflação ao consumidor.

Na minha opinião a principal causa desses erros está associada a uma nova metodologia de análise econômica que é hoje majoritária entre a nova geração de economistas. Trata-se de uma nova forma de entender o que se chama há muito tempo de expectativa racional dos agentes econômicos. Segundo essa forma de pensar, os agentes econômicos são capazes de intuir o cenário futuro em função de sua leitura da conjuntura econômica atual e de como está sendo conduzida a politica econômica do governo, com ênfase maior na política monetária perseguida pelo banco central de cada país.

Não são mais os dados correntes que fazem a cabeça dos mercados mas sim seu comportamento no futuro, em função das ações dos principais responsáveis pela execução da política econômica. Eu e a minha geração de economistas aqui no Brasil fomos treinados nesta metodologia, na qual a leitura do ciclo econômico que se vive é peça fundamental para a construção do futuro. É a partir dela que se julgam as ações dos agentes do governo na construção da política econômica

No soft mais moderno das expectativas econômicas racionais, o que realmente acontece na economia real em um dado momento do ciclo perde muito do seu caráter de protagonista e o futuro ainda incerto passa a ser o balizador principal das expectativas. Muito do erro citado acima na previsão da inflação no Brasil se deve a essa nova versão do racionalismo dos agente econômicos. Ao invés de dar o peso devido ao hiato do produto na quebra da inércia da inflação, foi a possibilidade de estarmos vivendo no Brasil o tal fenômeno da dominância fiscal — ainda muito pouco conhecido mesmo dos mais letrados nesta questão — que passou a dominar as previsões de muitos analistas.

Ora, mesmo em uma situação fiscal complicada como a nossa, é muita ingenuidade atribuir aos milhões de consumidores e empresários que formam o grosso do universo que toma decisões no dia a dia que, em uma situação de quase depressão, iriam pautar suas decisões a partir do medo de que já vivíamos uma situação de crise fiscal grave.

No final, prevaleceu uma leitura mais realista da economia por parte dos agentes econômicos e o peso da fragilidade da demanda agregada prevaleceu e provocou uma intensa e profunda desinflação tradicional.

Anexo a esta coluna um gráfico que trata de mais um erro gravíssimo de análise que tomou conta de um grande numero de economistas — aqui e no exterior — em relação à política monetária ultra expansionista do BCE. Mas isto fica para um próximo encontro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. luiz cesar r. e silva

    nos últimos anos os economistas só tem errado. acompanhei por muito tempo as previsões que eles faziam no início do ano e qdo comparado ao ocorrido era uma catástrofe. Lembro que certa feita já de tanto errarem, somente 4 se aventuraram a fazer previsões sobre 4 itens. Só 1 deles acertou um único item. O restante já sabem

  2. RecicleMais Plásticos

    Se alguém sabe o que vai acontecer com os tais MERCADOS por que cargas d´água iria compartilhar a informação? Isso é patético. Coitado de quem segue as DICAS dos gurus… Um chimpanzé nos EUA superou, num teste, várias corretoras de valores… Sim, um chimpanzé… Precisa mais ?